09/06/2014

Pesquisa da USP mostra que os quatro vírus da dengue circulam no Estado de SP

Os quatro tipos do vírus da dengue circulam na região macropolitana (metropolitana mais cidades vizinhas) de São Paulo, aponta pesquisa do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com o pesquisador Paolo Zanotto, professor do Departamento de Microbiologia, é a primeira vez que o Estado enfrenta essa condição. Entre os riscos envolvidos, está a mudança do perfil epidemiológico da doença, com manifestações mais graves e aumento das infecções em crianças.

Balanço: Brasil registrou 3,2 milhões de casos e 800 mortes por dengue em cinco anos

“Em termos de epidemiologia, é a mesma situação da dengue na Ásia, quando você tem a circulação de todos os sorotipos. Percebe-se uma mudança no padrão de doença”, explicou Zanotto. Segundo ele, diante dessa condição, países do continente asiático passaram a registrar casos mais graves, como a dengue hemorrágica. Além disso, devido ao acúmulo de imunidade contra o vírus em pessoas mais velhas, os jovens podem se tornar a faixa etária que mais manifesta a doença.

Para identificar os vírus, a equipe coordenada por Zanotto recolheu amostras de sangue de 1,3 mil pacientes com suspeita de dengue nos municípios do Guarujá, no litoral sul, e Jundiaí, na região de Campinas. A partir desse número inicial, foi feito o sequenciamento genético de aproximadamente 800 amostras. “Os vírus encontrados em Jundiaí eram muito parecidos com os do Guarujá. Ficou claro que ele está passando de um lugar para outro. A rota mais plausível é a Grande São Paulo”, explicou.

De acordo com o pesquisador, embora tenha sido verificada cientificamente em São Paulo, também pode estar ocorrendo em outros estados do país. “A gente já sabia da existência do sorotipo 4 na Amazônia. Sem dúvida que [esse vírus] existe em outras cidades”, estimou. Ele defende que haja a identificação e documentação dessa situação, assim como ocorreu agora no estado paulista.

Prevenção: Teste da vacina aponta redunção de 56% dos casos de dengue

Os casos de dengue, este ano, na capital paulista mais que triplicaram em relação ao registrado no mesmo período do ano passado. Segundo levantamento divulgado nesta sexta (30) pela Secretaria Municipal de Saúde, o total de casos de dengue registrados na cidade de São Paulo este ano chegou a 6.896. Já no mesmo período do ano passado foram 1.794 casos. Em todo o ano de 2013, foram registrados 2.617 casos da doença. Os números são os maiores observados nos últimos cinco anos, quando as ocorrências chegaram a 3.046.

No estado, cinco municípios paulistas concentram a maior parte (61,8%) dos casos. Além de Campinas, Americana (5.550), São Paulo, Jaú (2.801) e Votuporanga (1.834) lideram o ranking da doença em São Paulo. Dos 645 municípios, 267 não registraram nenhum caso este ano, segundo o governo estadual.

O último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, com dados até a 18ª semana deste ano, aponta 394.614 casos em todo o país. O maior índice de casos está concentrado na Região Sudeste, com 225.401, que representa 57,1%. Em seguida, aparecem as regiões Centro-Oeste (79.998), Nordeste (35.625), Sul (31.291) e Norte (22.299). Na comparação com o ano passado, observa-se uma redução de 67,6% dos casos no país.

Fonte: Mídia News

Última atualização: 09/06/2014

Leia também:

Combate à Dengue nas Redes Sociais


3 Comentários Publicados

  • Heraldo Manginelli — 11/01/2015 @ 7:42

    Com a falta de água, muitas pessoas fazem reservas em casa, e nem sempre tomam as precauções e cuidados para evitar a proliferação dos mosquitos transmissores. Água limpa armazenada é um prato cheio para os mosquitos. Eu acho que o grande aumento de casos de dengue se deve a esse problema.VAMOS COLABORAR.


  • MARIA DO CARMO — 26/02/2015 @ 11:32

    BOM DIA GOSTARIA DE SABER COMO FAÇO DENUNCIA SOBRE MOSQUITOS AQUI EM MINHA CIDADE DE
    SANTOS / SP ENDEREÇO: ESTOU DO LADO DE UMA ENORME OBRA A QUAL OS MOSQUITOS ESTÃO DEMAIS PERNAS CORPO TODO PICADO- JÁ RECLAMEI E NADA FAZEM POR FAVOR OBRIGADAO
    MARIA DO CARMO


  • ISILDA FERNANDEZ GUIZARDI — 23/04/2015 @ 11:14

    Por gentileza. Peço a vcS que trabalhaM no Meio de combate A DENGUE, gostaria q vc levasse as autoridades a minha dúvida . ” se os ovos mosquito fêmea, fica aguardando até por um ano e meio, então, se eu jogar estes ovos de cá pra lá e, de lá pra cá, eles se manterão vivos aguardando a próxima molhada???!! Acho que é aí que mora o problema; as pessoas tenta se livrar empurrando”pra baixo do tapete!!!”(se acabarmos com os ovos das galinha, não existirá mais galinha,não é verdade!?) Será que NÃO TERÍAMOS É QUE EXTERMINAR COM OS OVOS do mosquito!!?? … Eu nunca mais achei larvas em minha casa, pois, só achei uma vez, há uns dez anos e, o que eu fiz foi pegar a água que havia larvas do Aedes Aegypit, colocar em uma lata e por pra ferver no fogão, e, ñ precisa nem ferver, basta esquentar, que mata todas as larvas e ovos. Também lavei a vasilha contaminada que estavam as larvas, com água quente, para exterminar com os ovos do mosquito. Dengue aqui em casa, ñ tem vez. Talvez precisamos é de uma nova campanha, a de EXTERMINAR COM OS OVOS DO AEDES AEGYP!!! POR GENTILEZA, LEVE ISSO ÀS AUTORIDADES. DESDE JÁ OBRIGADA!



Deixe sua mensagem

(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem