30/03/2011

Número de casos de dengue cresce 471% em Natal

A dengue já apresenta um crescimento de 471% em Natal com relação ao mesmo período do ano passado, chegando ao número de 1.090 notificações. O dado foi divulgado ontem pela diretora do Departamento de Vigilância e Saúde da Secretaria Municipal, Cristiana Souto, durante uma reunião com representatantes dos municípios da região metropolitana, ocorrida para discutir estratégias de combate à doença.

Na mesma ocasião, a prefeita Micarla de Sousa anunciou a intenção de enviar um projeto de lei à Câmara Municipal visando punir com IPTU progresivo e multar os proprietários de terrenos baldios que estejam acumulando lixo e servindo de depósito para possíveis criadouros do mosquito da dengue. Somente na Zona Oeste de Natal, existem 36 nessa situação, de acordo com levantamento realizado pela Urbana. “A situação dos imóveis fechados e dos terrenos baldios é muito grave em Natal, não podemos mais permitir que esses proprietários invistam contra a saúde da cidade e fiquemos simplesmente de braços cruzados”, disse a prefeita.

Durante o encontro, Micarla de Sousa propôs uma mobilização dos municípios da região metropolitana para o combate ao mosquito Aedes aegypti. Presentes à reunião, que ocorreu na Procuradoria Geral do Município, estavam prefeitos, secretários municipais de saúde, representantes das Forças Armadas e do Ministério Público Estadual.

A ideia, segundo explicou a prefeita, é fazer um grande “mutirão” de atividades de combate e prevenção à doença nas cidades que compõem a região metropolitana e, especialmente, nos bairros fronteiriços, onde há maior incidência dos focos do mosquito. Participaram representantes das prefeituras de Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Ceará-Mirim, Macaíba, Nísia Floresta, São José de Mipibu, Monte Alegre e Vera Cruz.

De acordo com a prefeita da capital, a integração dos municípios vai mobilizar funcionários das Prefeituras, agentes de endemias e equipes voluntárias que vão para as ruas lutar contra o mosquito transmissor da dengue.”Nós vamos visitar terrenos irregulares, conscientizar as pessoas e fiscalizar os lugares que possam ter objetos que estejam acumulando água parada”, frisou. Para ela, é fundamental conhecer as estratégias de cada município para o combate à doença.

O prefeito de São Gonçalo do Amarante, Jaime Calado, enalteceu a iniciativa e ressaltou uma maior atenção ao trabalho dos carros fumacê, que, na sua opinião, é o que mais traz resultados para o combate ao mosquito. “Esse trabalho é fiundamental, porque o aedes além de provocar a dengue pode também transmitir a febre amarela, uma doença mais perigosa, que mata rapidamente ao anular os rins e o fígado”; disse Calado.

 

Situação pode se agravar com sorotipo 4

A diretora do Departamento de Vigilância e Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, Cristiana Souto, afirma que o quadro de proliferação da dengue na capital pode ser agravado ainda mais diante da reintrodução no Brasil do sorotipo 4 da doença, do qual não se tinha registro há 28 anos.

“Ele já chegou a Roraima, Amazonas, Piauí, Rio de Janeiro e Bahia. Como a população daqui não teve contato com esse vírus, torna-se mais suscetível”, disse Cristiana Souto, que ressalta não ser esta a forma mais grave da dengue.

O primeiro caso de dengue em Natal foi notificado em 1996, no bairro de Felipe Camarão. No ano seguinte, ocorreu a primeira epidemia. As seguintes foram em 1999, 2001, 2003 e 2008.

Fonte: Diário de Natal

Última atualização: 30/03/2011

Textos relacionados:

Combate à Dengue nas Redes Sociais

Deixe sua mensagem

(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem