31/08/2011

Mosquito da dengue não se desenvolve em canais e esgotos

O ambiente ideal para a proliferação do mosquito da dengue deve ter sombra, água limpa e parada. A larva do mosquito é sensível e, por isso, não consegue se desenvolver em locais com água em movimento. As larvas são adaptadas ao calor, mas também são fotossensíveis e não ficam diretamente expostas ao sol.

De acordo com último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), os bairros Olaria e José Conrado de Araújo, apresentaram índice de infestação predial de 1,4%, o que representa sinal de médio risco ou alerta. Seguindo o ciclo de trabalho dos agentes, os dois bairros já foram visitados quatro vezes este ano e  receberam o fumacê, além da força-tarefa, que é programada de acordo com o planejamento semanal.

A presença de canais e esgotos nesses bairros não determina o desenvolvimento do vetor, ao contrário do que muitos acreditam. Segundo a coordenadora do Programa Municipal de Combate à Dengue, Taíse Cavalcante, o resultado da infestação nesses locais é sempre negativo.

Canais e esgotos não são locais ideais para o desenvolvimento da larva do mosquito da dengue. Nesses locais a água é suja e nem sempre parada. O cenário ideal para a proliferação do Aedes aegypt continua sendo a água limpa e parada. Mesmo assim, os agentes realizam a coleta em canais, esgotos, lagoas e em locais onde apresente grande quantidade de água acumulada, para confirmação ou não da presença da larva da dengue, explica Taíse.

A comerciante Janecleide Menezes, moradora do bairro José Conrado de Araújo, é uma das aracajuanas que ainda tem essa dúvida. Ela reclama que os canais e esgotos próximos às residências atraem muitos mosquitos, e teme pela contaminação de sua família. Vejo a dengue como um grande perigo. Os esgotos acumulam muita água e a noite muitos mosquitos como muriçocas, pernilongos incomodam a gente, temo que um deles seja o Aedes Aegypti, explica Janecleide.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Silvio Santos, os moradores devem ficar tranqüilos com relação a isso. Apesar das informações contínuas, a comunidade ainda confunde os esgotos e os canais como sendo criadouros da dengue. Essa relação não existe. Canais e esgotos atraem sim os mosquitos e as muriçocas, mas não os da dengue, alerta o secretário.

Visitas

O ciclo de visitas realizado pelos agentes de endemias é feito a cada dois meses, período determinado pelo Ministério da Saúde para as equipes trabalharem dentro de um bairro. As visitas são padronizadas, seguindo uma rotina de acordo com a quantidade de quarteirões dos bairros. O agente precisa, primeiro, visitar todos os imóveis daquele quarteirão para, a partir daí, seguir para o próximo, até terminar o ciclo de trabalho. Por isso é que existe o prazo de dois meses para o retorno à residência, afirma Taise Cavalcante.

O larvicida utilizado pelos agentes de endemias tem poder de ação de 60 dias. As visitas aos quarteirões são realizadas de forma zoneada, ou seja, o mesmo agente é responsável por todas as residências daquele quarteirão durante o ano de trabalho. Isso fortalece o vínculo do agente de endemias com os moradores, favorecendo resultados positivos no controle do Aedes aegypi.

Conscientização

O último LIRAa confirmou que o maior problema em Aracaju continua sendo as lavanderias, onde 57% dos criadouros foram encontrados. O segundo maior índice foi apresentado pelos depósitos domiciliares, como vasos e pratos de plantas, ralos e lajes, responsáveis por 34,4% do total de focos encontrados. Não foram encontrados focos nos terrenos baldios da cidade.

Segundo o resultado dos quatro LIRAas realizados em 2011, os focos foram encontrados apenas em residências. Isso serve de alerta à população, pois não são apenas os agentes de endemias que irão garantir a redução desses índices. É preciso que a população se conscientize e adote hábitos contínuos de prevenção. Não adiante fazer uma força-tarefa, limpar os locais e minutos depois a comunidade jogar o entulho de volta. Dessa forma, a dengue vai continuar morando ali também, afirma Silvio Santos.

Fonte: Faxaju

Última atualização: 30/08/2011

Textos relacionados:

Combate à Dengue nas Redes Sociais

Deixe sua mensagem

(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem