15/04/2008

Inhame entra na discussão do tratamento de dengue

Em meio à epidemia de dengue na cidade do Rio de Janeiro, muitas ações são apontadas para prevenir ou tratar a doença. As vendas de repelente crescem e até mesmo o uso de calças compridas é recomendado para tentar evitar a picada do mosquito Aedes Aegypti. No âmbito da prevenção e do tratamento da doença, a alimentação também é pauta das discussões. Além da orientação médica de uma alimentação balanceada, alimentos específicos têm sido destacados por possuírem propriedades específicas que atuariam objetivamente em caso de dengue.


Um desses alimentos é o inhame. Esse tubérculo possui benefícios como a propriedade de manter a boa flora intestinal, o baixo índice glicêmico, que o torna um bom alimento para diabéticos e a capacidade de reduzir a absorção de colesterol. Mas, além disso, informações de que a ingestão de inhame seria recomendada para tratar infectados por dengue têm circulado na internet. Entretanto, a nutricionista e doutoranda em Nutrição pela UFRJ, Ana Luisa Faller afirma que não há nada específico que explique a recomendação do inhame em casos de dengue. O que há de concreto são propriedades desse alimento que poderiam ter relações indiretas com o quadro da dengue.

“O inhame possui vitaminas do complexo B. Uma pessoa que realize uma boa ingestão dessas vitaminas exala um odor que o mosquito sente e ele tende a não picar essa pessoa. Mas, o inhame não tem uma concentração tão elevada que justifique isso”, ressalta a nutricionista, que explica a recomendação de complexo B de forma preventiva provavelmente só seria atingida na forma de suplemento alimentar, encontrado nas farmácias.

Outro benefício do inhame é o fortalecimento do sistema imunológico. “O inhame tem uma quantidade boa de vitamina A, importante para o sistema imunológico e para a integridade das mucosas. Em recentes trabalhos, tem sido estudado que o inhame, como um tubérculo, possui também uma proteína capaz de estimular o sistema imunológico, aumentando a fagocitose, a resposta das nossas células para incorporar as bactérias ou vírus que estão atacando o organismo para destruir uma infecção”. Ana Luisa Faller emenda que isso não justifica a afirmação de que comer inhame previne uma possível infecção.

A doutoranda reforça a importância de uma boa alimentação. “O mais provável é que uma pessoa saudável, com alimentação variada, com vários desses nutrientes que estimulam o sistema imunológico, por mais que se infecte com o vírus, possivelmente não desenvolverá os sintomas de forma tão avassaladora, porque seu combate será mais ativo.” Ana Luiza Faller destaca outros alimentos fortalecedores do sistema imunológico como os que são fontes de zinco, vitamina A, ferro e ácido fólico. A lista engloba cogumelos, carnes, frutos do mar, leite e derivados, hortaliças, vegetais folhosos e alimentos ricos em beta caroteno, como cenoura, abóbora e milho.

Segundo Ana Luisa Faller, uma pessoa com alimentação balanceada provavelmente tem as mesmas chances de pegar a dengue, mas “pode haver diferença em como ela vai manifestar os sintomas da doença. Quanto mais debilitada é a pessoa, pior é o desenvolvimento da doença. Por isso, as crianças são mais afetadas e representam maioria dos casos de dengue hemorrágica e de morte. Então, os sintomas são menos graves, menos exacerbados se há uma linha de defesa, um sistema imunológico respondendo adequadamente à doença”.

Em relação à dieta específica para o infectado por dengue, a nutricionista recomenda uma alimentação saudável. “A pessoa deve ser o mais saudável e natural possível, consumir arroz, feijão, frutas, hortaliças e tentar comer o máximo que conseguir. Como a pessoa com dengue fica sem vontade de comer, deve-se maximizar cada refeição, fazendo com que as porções ingeridas sejam ricas em nutrientes. Por a pessoa já estar mais fraca e, provavelmente, ingerir porções menores, deve-se primar mais ainda pela qualidade”.  Ana Luiza Faller ressalta que a hidratação é fundamental no tratamento da doença.

Fonte: UFRJ  – TATIANE LEAL – AGÊNCIA UFRJ DE NOTÍCIAS – CCS

Última atualização: 15/04/2008

Leia também:

Combate à Dengue nas Redes Sociais


7 Comentários Publicados

  • flavia ferreira — 27/04/2008 @ 19:41

    Tenho dois filhos, um de 7 anos e outro de 8 meses. Uso repelente continuamente, no maior uso off kids ou um outro chamado SUNLESS a base de andiroba da FARMAX, no bebê uso o da Jonhson baby. Mas hoje fiquei sabendo que o uso contínuo do repelente pode causar problemas imunológicos e ou no fígado. Por favor, me ajudem, pois quero proteger os meus filhos sem por em risco a saúde deles.
    Desde já Agradeço a ajuda,

    Flavia Ferreira Barbosa
    Mãe de Guilherme – 7 anos e
    Lucas – bebê de 8 meses


  • Família Brasil — 30/04/2008 @ 5:37

    Flávia, o indicado é que você procure um médico para avaliar o uso contínuo do repelente nas crianças e, principalemente, no bebê.
    Encontramos no site da Anvisa essas orientações:
    (http://anvisa.gov.br/cosmeticos/informa/parecer_deet.htm)

    “Considerando que a eficácia do produto está relacionada à formulação e a forma de apresentação;

    A Câmara Técnica de Cosméticos recomenda e a Gerência Geral de Cosméticos determina:

    1. Não permitir o uso de repelentes para insetos contendo DEET em crianças menores de 2 anos de idade.
    De seis meses de idade a 2 anos: procure orientação médica.

    2. Permitir o uso de repelentes para insetos contendo DEET, em crianças de 2 a 12 anos de idade, desde que a concentração do referido ingrediente não seja superior a 10%, restrita a apenas 3 (três) aplicações diárias, evitando-se o uso prolongado;

    3. Para idades superiores a 12 anos, formulações contendo DEET, em concentrações superiores a 30% poderão ser aceitas para registro, desde que sejam realizados estudos de avaliação de risco para humanos, levando-se em consideração a freqüência de aplicação pois, estudos mostraram que formulações com baixas concentrações de DEET são tão efetivas quanto àquelas com concentrações maiores mesmo permanecendo durante menor período de contato;

    4. Deverá constar dos dizeres de rotulagem o tempo para reaplicação do produto com base no teste de eficácia do mesmo, obedecendo sempre, quando for o caso, o número de aplicações máximas.

    5. Que conste na rotulagem, para todas as formulações e concentrações, os seguintes dizeres (1,8):

    - Aplicar nas áreas expostas somente quando necessário;
    - Não aplicar por baixo de roupas;
    - Não utilizar se a pele estiver irritada ou lesionada;
    - Evitar o contato com os olhos, boca e narinas;
    - Depois do uso, lavar as mãos com água e sabão;

    6. Além dos dizeres acima mencionados, deverão ainda ser acrescentados os seguintes dizeres, conforme o caso:

    a) Para formulações contendo concentrações até 10%

    - Não aplicar em crianças menores de 6 meses de idade;
    - A aplicação deste produto em crianças deve ser supervisionada por um adulto. Este deve colocar o produto em suas mãos e em seguida aplicar na criança;
    - Evitar a aplicação do repelente na palma das mãos da criança;
    - Em crianças de 2 a 12 anos de idade não aplicar mais do que 3 vezes ao dia.

    b) Para formulações contendo de 11 a 30%

    - Não usar em crianças menores de 12 anos.
    - Reaplicar após X horas.

    c) Em preparações tipo aerossóis ou “pumps”

    - Não aplicar as formulações em ambientes fechados.
    - Para aplicar na face: aplique primeiramente o produto nas mãos e a seguir leve ao rosto evitando o contato com olhos, boca e narinas.”


  • Alex — 11/03/2010 @ 7:00

    Doutora, vc não sabe o que o inhame é capaz, e ao invés de tentar realizar uma pesquisa para ter certeza, trabalha em cima de suposições, assim como trabalham os defensores do inhame (que estão em vantagem, pois tem como aliados, a cultura popular, relatos de indigenas e etc…). E mais: Limite-se a falar sobre nutrição, assunto que vc deveria dominar, e não saia por ai dizendo coisas absurdas. Para ter o efeito de repelente, o complexo b teria de ser usados em doses nocivas ao organismo, e qualquer produto que produza odor, confundirá o mosquito, portanto é melhor usar perfume, do que se entupir de complexo b. Ao invés de citar alimentos que ajudariam na recuperação do paciente, melhorando sua imunidade, vc se limita a dizer que recomenda frutas, hortaliças, ARROZ e FEIJÃO, se nem se preocupar com o fato de que uma pessoa com dengue não consegue comer um prato de comida sem enjoar. E diz que as refeições devem ser maximizadas??? Se especializou demais e esqueceu conceitos gerais, limite-se a indicar alimentos que favoreçam a hidratação e o sistema imunológico, assim como alimentos que forneçam energia, em pequenas porções. E só. A populacão agradece.


  • Alex — 11/03/2010 @ 7:35

    “Em termos medicinais o inhame é considerado um poderoso depurativo do sangue e, de acordo com o Estudo Nacional da Despesa Familiar realizado pelo IBGE, é recomendado também na prevenção da malária, do dengue e da febre amarela. Além disso, ele fortalece o sistema imunológico e aumenta a fertilidade nas mulheres. Todas as partes do vegetal podem ser consumidas: o tubérculo, as folhas e os talos.”


  • Alex — 11/03/2010 @ 7:36

    “O inhame (Colocasia esculenta) é conhecido em vários países do mundo por suas propriedades medicinais de alto poder curativo, sendo citado em diversos livros sagrados e clássicos médicos de todos os tempos.

    De grande poder desintoxicante e depurativo, o inhame apresenta ainda propriedades medicinais que lhe atribuem o status de remédio em alguns países do oriente, sendo recomendado para o tratamento de doenças como reumatismo, artrite, ácido úrico, inflamações em geral, viroses e micoses.
    O inhame possui ainda a propriedade de restaurar e manter o sistema imunológico saudável e resistente. Na África, foi constatado que o tubérculo é responsável pelo aumento da fertilidade das mulheres que o consomem habitualmente.”


  • Beatriz Alencar — 04/06/2011 @ 9:21

    Oi, eu tenho 12 anos, e estou com sintomas de dengue:
    Febre,
    Dor de Cabeça
    Pele toma cheia de pontinhos vermelhos
    Cossera, eu estou toda me cossando é horrivel.

    Será que euu estou realmente com dengue,ou com outra doença que eu ainda não percebi? Me ajudem,eu estou faltando aula,e não posso mais.
    beijos.


  • Editor — 07/06/2011 @ 12:05

    Beatriz, peça ao seu responsável, pai, mãe, avó, tia, que a leve no médico. só um médico pode fazer o diagnóstico. lá eles tambem irão dar a você o atestado médico para você não ter prejuízo com as faltas na escola.



Deixe sua mensagem

(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem