15/08/2013

Dobra número de casos de dengue em SP

A capital paulista enfrenta uma alta no número de casos de dengue. Com duas mortes confirmadas, São Paulo teve 2.457 registros da doença de janeiro a agosto – mais do que o dobro do ano passado, com 1.150. O aumento se deu em bairros mais periféricos da cidade no período entre março e abril, meses que somam 72% das notificações.

Rio Pequeno, na zona oeste, lidera o ranking, com 232 moradores doentes, ou 195,8 casos para cada grupo de 100 mil habitantes. Taxa muito superior à média da cidade, que é de 21,8. Cangaíba, na zona leste, vem em seguida, com 85,6 casos a cada 100 mil moradores.

Em ambos os exemplos, a notificação da doença cresceu muito. Em 2012, nem Rio Pequeno nem Cangaíba figuravam como locais com sinal vermelho. O alerta foi aceso neste ano, quando a alta superou 1.440% e 2.213%, respectivamente. Na contramão, bairros como Liberdade, no centro, e Casa Verde, na zona norte, tiveram uma redução significativa do número de casos nos primeiros sete meses do ano.

Cíclico. Parte da explicação está no caráter cíclico da doença. A dinâmica da dengue mostra que um processo epidêmico ocorre a cada três ou quatro anos. A chegada do soropositivo 4 da doença aumentou o risco neste ano. Isso porque um tipo de vírus novo torna a população mais vulnerável. Além disso, pacientes que são infectados pela segunda vez podem apresentar sintomas mais graves, como febre hemorrágica.

Para o pesquisador Esper Kallas, do Instituto de Investigação em Imunologia – Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (iii-INCT), a boa notícia é que o tipo 4 é aparentemente menos agressivo que os demais. “Mas é claro que isso não quer dizer que podemos relaxar com a prevenção, pelo contrário. Ela deve ocorrer o tempo todo, mesmo no inverno, como agora”, afirma.

A Prefeitura ressalta que, apesar de o total de casos ter aumentado, a cidade ainda figura na classificação considerada segura, de acordo com o Ministério da Saúde. Com 11 milhões de habitantes e menos de 100 casos para cada grupo de 100 mil pessoas, a capital está no nível de baixa incidência.

 

Orçamento. A verba para o combate à doença está aprovada, mas não foi empenhada até agora. No orçamento municipal há R$ 200 mil reservados para uma campanha contra a dengue que não foram gastos.

Para o Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep), o aumento deste ano é resultado da falta de investimentos do Município em prevenção. “E isso não ocorre somente de janeiro para cá. É uma falha que se arrasta desde 2007. São muitos os problemas, como falta de carros, uniformes e equipamentos”, afirma o secretário-geral da entidade, Vlamir Lima.

A falta de infraestrutura para o serviço leva agentes de saúde a ter de percorrer as casas a pé, em busca do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. “Não há quase carros disponíveis para as equipes trabalharem na prevenção. A única coisa que melhorou nesta gestão foi o salário, que aumentou.”

Hoje, os 2,4 mil agentes de zoonoses recebem salário inicial de R$ 755, de acordo com o Sindsep. “Mas ainda falta muito para conseguirmos controlar a transmissão da doença. Até as bases de trabalho foram desarticuladas”, reclama Lima.

A Secretaria Municipal da Saúde, por sua vez, diz que trabalha com o “máximo empenho” no combate à dengue. De acordo com a pasta, o trabalho conta ainda com outros 7 mil agentes comunitários.

Sobre os investimentos, a secretaria ressalta que comprou 50 veículos para ações de dengue neste ano, com recursos federais. Uma cota de R$ 1,1 milhão do Tesouro Municipal ainda foi gasta entre janeiro e julho na compra de inseticidas, manutenção de nebulizador e da frota de veículos.

“As ações de prevenção ocorrem durante o ano todo. Englobam campanhas educativas e visitas a domicílios, pontos estratégicos e imóveis especiais, visando à eliminação de criadouros do mosquito e à orientação da população”, informa a secretaria.

Já a campanha contra a dengue, com recursos previstos no orçamento, será realizada até o fim do ano, segundo assegurou a pasta. O objetivo é focar o trabalho nos períodos mais chuvosos, quando aumenta o número de casos.

Fonte: Estadão

Última atualização: 15/08/2013

Textos relacionados:

Combate à Dengue nas Redes Sociais

Deixe sua mensagem

(obrigatório)

(obrigatório)

Mensagem